publicidade
07 de setembro de 2012 • 13h04 • atualizado às 16h15

Com 'Passion', Brian De Palma fecha Festival de Veneza

Diretor encerrou evento ao lado da atriz Noomi Rapace, protagonista do longa
Foto: Getty Images
 

Com uma trama delirante, o filme Passion, dirigido por Brian De Palma e protagonizado por Noomi Rapace e Rachel McAdams, foi o encarregado de fechar a mostra competitiva da 69ª edição do Festival de Veneza. Também foi apresentado o longa italiano Un Giorno Speciale, comédia dramática de Francesca Comencini.

Descubra o Sundaytv e tenha acesso ao melhor do cinema e da TV

Especialista em acrobacia de câmera, mestre da conturbação e, na última fase de sua carreira, ligado a uma prazerosa desordem argumental, Brian De Palma voltou a Veneza com muito bom humor e poucas pretensões seis anos depois de ganhar o prêmio de melhor diretor com Guerra Sem Cortes, centrado nas adversidades dos soldados americanos no Iraque.

"O cinema de suspense me dá oportunidade de contar minhas histórias de uma maneira muito mais visual. E esta história se sustenta sobre duas cenas principais, que se apoiam na interação de duas atrizes que dão substrato emocional ao filme", disse.

Remake do filme francês Crime de Amor, de Alain Corneau, Passion se apresenta sem regras e, tanto no terreno emocional como no profissional, é marcado pelas atuações de suas duas atrativas protagonistas (Noomi e Rachel). O ponto forte do filme é que nele, levando em conta que seus personagens estão todos loucos, tudo pode acontecer. Desta forma, transforma-se em um divertido carnaval, surpreendente por sua tendência ao disparate e o excesso.

"Para mim, este personagem foi muito difícil porque sempre busco entendê-los e, neste caso, ela está mentalmente e emocionalmente perturbada", explicou Noomi Rapace, que não considera que as protagonistas sejam lésbicas, mas "utilizam o sexo como arma para conseguir o que querem".

Ao longo de Passion é inevitável encontrar referências ao mestre do suspense, que já foi homenageado em outros filmes de Brian de Palma. "Hitchcock? Não sei a quem se refere", brincou o diretor, da mesma maneira que, quando alguém estava tentando encontrar uma coerência factual em sua hilariante trama, contestou gritando: "é um sonho!", declaração que foi logo seguida por aplausos de seus inúmeros fãs.

Mas com sua tendência ao coquetel de referências, De Palma não se preocupa em fazer do filme seu pátio de recreio: música orquestral em quantidades ingentes, tela dividida entre a preparação de um assassinato à direita e um balé à esquerda e, certamente, erotismo multidirecional instigado por todo tipo de dispositivo. "Me considero um grande observador das novas tecnologias. Já as utilizei em Guerra Sem Cortes para construir a história, integrando-as em minha narrativa. E me considero um pouco visionário, um pouco profeta, levando em conta que meu filme Olá, Mamãe (1970) já falava de um programa de um reality show chamado Be Black Baby", declarou.

Perguntado sobre a possibilidade de ganhar o Leão de Ouro com esta brincadeira de fazer cinema, De Palma reconheceu que não descarta essa possibilidade, mas acredita ter muito mais chances nos prêmios Queer Lion, dedicado a filmes com temática homossexual.

Muito mais linear e com os gêneros marcados sem nenhum tipo de dúvidas, Un Giorno Speciale, da italiana Francesca Comencini, foi apresentado também neste encerramento do festival. Ele apresenta uma comédia dramática que viaja ao redor de uma aspirante atriz, interpretada por Giulia Valentini, e por um motorista com os características de Filippo Schicchitano que a leva para uma entrevista com um político. Durante esse "dia especial" (que se refere com pouca felicidade a aquele maravilhoso Um Dia Muito Especial com Sofia Loren e Marcelo Mastroiani), a camaradagem amorosa e as aspirações juvenis vão se desenvolvendo em direção a um amargo final.

"É um filme que joga com as mudanças, que passa de uma ligeira comédia para um drama extremo", explicou a diretora, preocupada pelo papel das mulheres na sociedade. "Como mãe, me impressionou ver que durante a infância e a adolescência elas têm mais temperamento e iniciativa que eles, mas algo sucede no mundo adulto que as mudam. Acho que a realidade lá fora ainda está dominada pelo mundo velho", declarou.

Desta forma, Un Giorno Speciale e Passion fecham a lista de 18 candidatos ao Leão de Ouro 2012, prêmio que amanhã será decidido pelo júri presidido pelo diretor americano Michael Mann na cerimônia de encerramento do Festival de Veneza, onde o filme The Master, de Paul Thomas Anderson, é apontado como o grande favorito ao prêmio.

EFE EFE - Agencia EFE - Todos os direitos reservados. Está proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da Agencia EFE S/A.