1 evento ao vivo

"Elysium" reúne ação, destruição e reflexão sobre a vida

7 ago 2013
19h52
atualizado às 23h19

O cineasta Neill Blomkamp e o protagonista Matt Damon queriam, acima de tudo, entreter o público com "Elysium", thriller de ficção científica cheio de ação. Mas se os espectadores também puderem refletir sobre soluções para a pobreza e a desigualdade, bom, aí seria um bônus.

"Elysium", que estreia no fim de semana no circuito mundial, não é a típica superprodução hollywoodiana para o verão. E Blomkamp, sul-africano que chamou a atenção com seu primeiro longa, "Distrito 9", não é um diretor típico.

Afinal, naquele filme ele usava o tema da invasão alienígena para falar de xenofobia e segregação na África do Sul, um conceito inovador que lhe rendeu quatro indicações ao Oscar em 2010, inclusive de melhor filme.

"Elysium" retrata dois mundos distintos no ano 2154, uma Terra doente e superpovoada, e Elysium, estação espacial onde uma elite vive em mansões bem cuidadas e onde o câncer é curado em segundos.

"Todo mundo que não tem essa riqueza a quer e vai tentar tê-la, e o Primeiro Mundo provavelmente irá tentar se aferrar e ela, e a coisa vai ficar mais sombria", disse o diretor, de 33 anos, em entrevista. "O que você, como membro da plateia, acha que deve ser feito?"

Para Damon, a premissa do filme não é absurda.

"Se você olhar a diferença entre o bilhão mais pobre do planeta Terra e os 10 milhões mais ricos, o contraste é tão gritante quanto viver em uma estação espacial e viver em um centro urbano do Terceiro Mundo", disse o ator.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
publicidade