0

Em "Cosmópolis", Pattinson vive em bolha surreal

15 ago 2012
20h08

Por Christine e Kearney

NOVA YORK, 15 Ago (Reuters) - Em "Cosmópolis", filosófico novo filme de David Cronenberg, Robert Pattinson interpreta um jovem financista visionário, frio e podre de rico, que perde a razão à medida que se locomove de limusine por Nova York.

Para o astro de "Crepúsculo", um dos galãs mais bem pagos da atualidade em Hollywood, o novo papel serve como teste para a sua capacidade de atrair os fãs adolescentes da trilogia vampiresca para um filme adulto e independente.

Pattinson, de 26 anos, participou nesta semana em Nova York de eventos de divulgação do filme, nas suas primeiras aparições públicas desde que sua namorada, Kristen Stewart - par romântico do ator em "Crepúsculo" - admitiu ter tido um relacionamento paralelo com um cineasta britânico casado.

Seu rompimento com Stewart, de 22 anos, disputou as atenções com o próprio "Cosmópolis", ainda que o assunto tenha rendido poucas respostas.

"Há toda essa coisa de querer saber cada vez mais sobre as celebridades", disse Pattinson à Reuters sobre a repercussão do seu drama amoroso. "Mas, realmente, tudo o que todo mundo quer é que sejam celebridades de novo. Por mais ridículo que seja dizer isso, ninguém realmente quer saber."

E, em risonhas entrevistas a programas de TV dos EUA nesta semana, ele disse que nunca tentou se vender com base na sua vida pessoal, e que acabou se vendo "como que no mais louco brinquedo de um parque temático".

O que, aliás, não está muito distante do cenário surreal de "Cosmópolis", em que ele interpreta o astuto Eric Packer, autor de frases enigmáticas como "A vida é contemporânea demais", tirada diretamente do livro homônimo de Dan DeLillo, num enredo que tem sido interpretado como um alerta contra a dominação do capitalismo e da tecnologia sobre a sociedade.

Durante o filme, Packer encontra figuras do seu cotidiano, como sua marchande (Juliette Binoche) ou sua fria esposa (Sarah Gordon), e sabe que sua vida está sendo ameaçada por um desconhecido (Paul Giamatti). Ao seu redor, a cidade às vezes para, às vezes desmorona.

Cronenberg admite que escolheu Pattinson para o elenco porque sua fama ajudaria a financiar o filme. O ator disse que sua atuação, como em trabalhos anteriores, foi influenciada por sua vida real.

"Pensando agora, todo filme que eu fiz, não importa qual seja o personagem, é só o que você era na época e como você interpreta isso", disse Pattinson à Reuters. "Acho que todo mundo nos filmes ‘Crepúsculo'' está meio diferente. Não é o mesmo personagem em todos. Mas obviamente, assim, mudou de repente - sob muitos aspectos, minha vida ficou bem menor depois que eu fiquei famoso. Então todos os personagens, em todo filme que eu fiz, têm pedaços e partes disso."

Em contraste com "Crepúsculo", "Cosmópolis" foi feito com o limitado orçamento de 15 milhões de euros (18 milhões de dólares). Mas Pattinson acha que ambos podem ter uma plateia em comum.

"Não acho que as pessoas percebam que o público de ‘Cosmópolis'' na verdade está mais velho. Não há muitos que não chegam aos 18 anos. Tomara que eles gostem (do novo filme)."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

publicidade
publicidade