Cinema

publicidade
15 de março de 2013 • 15h11 • atualizado às 20h02

Mãe de R. Russo pediu: "não faça o filme roqueiro gay morre de aids"

'Não queria fazer um Cazuza', diz diretor de Somos Tão JovensClique no link para iniciar o vídeo
"Não queria fazer um Cazuza", diz diretor de Somos Tão Jovens
  • Mariana Lanza
    Direto de Florianópolis
 

Diretor de Somos Tão Jovens, longa-metragem que mostra a trajetória de Renato Russo (morto em 1996 em decorrência de complicações provocadas pela aids), Antonio Carlos da Fontoura não conhecia a fundo a vida do vocalista da Legião Urbana até se envolver com o projeto, mas uma coisa ele sempre soube: não queria fazer um filme triste, sobre uma pessoa doente, vivendo o outro lado da fama. “Eu não queria fazer um Cazuza, já estava feito”, disse, durante o 4º Encontro do Cinema Nacional, em Jurerê Internacional, Florianópolis (SC).

A comparação com Cazuza - O Tempo Não Para, lançado em 2004, é inevitável quando se trata de dois astros da música nacional. Tanto que, em um encontro com a mãe de Renato, Fontoura percebeu que estava em sintonia com a família dele. "Em um dos primeiros encontros com a Dona Carminha, ela falou: meu filho, só não me faça o seguinte filme 'roqueiro homossexual drogado morre de aids'. Esse filme eu já vi e se chama Cazuza'", lembrou o diretor. 

Pôster do filme Somos Tão Jovens
Foto: Divulgação

Somos Tão Jovens exibe momentos da adolescência de Renato Russo, como as "aulinhas de inglês", a curtição com sua turma - entre os amigos estavam músicos que futuramente formariam os grupos Capital Inicial e Paralamas do Sucesso - e sua busca por integrantes para compor uma banda, que começa com Aborto Elétrico. O longa termina com a exibição de parte do primeiro show da Legião Urbana no Circo Voador, Rio de Janeiro, em 1982.

Além da criação de diversas músicas que fizeram sucesso com a Legião, o diretor abordou a  homossexualidade do cantor. De maneira leve e até mesmo engraçada, ele mostrou o momento em que o músico conta para sua mãe “que gostava de meninos”. “O Renato teve efetivamente no início da juventude, na transição da puberdade para a fase adulta, duas ou três namoradas. Era uma pessoa em busca da felicidade. Ele nunca foi um Cazuza "exagerado". Eu fiquei surpreso quando ele declarou publicamente ser homossexual. As pessoas não tinham essa visão dele”, afirmou Fontoura. 

Trailer: 'Somos tão jovens'Clique no link para iniciar o vídeo
Trailer: 'Somos tão jovens'

Ainda de acordo com o diretor, a presença de familiares do vocalista era constante no set de filmagens. "A Carmem Tereza (irmã do cantor) vinha e falava: ‘meu irmão não ia fazer assim não'”, lembrou Fontoura. Thiago Mendonça, intérprete de Renato no longa-metragem, às vezes retrucava a opinião de Carmem. “Eu tenho um irmão e, um terço da minha vida, do que eu faria, ele não sabe o que eu iria fazer. Essa certeza eu questionava, brincava, provocava”, comentou o ator, que passou três meses em Brasília para mergulhar no mundo de Renato Russo.

Somos Tão Jovens estreia dia 3 de maio nos cinemas.


*A repórter viajou a convite da Imagem Filmes.

Terra