Veterana Blythe Danner critica Hollywood e elogia Zac Efron

atualizado às 11h59
  • separator
  •  
  • comentários
Osmar Portilho
Direto de Los Angeles

Nome mais experiente no elenco de Um Homem de Sorte , que estreia no Brasil nesta sexta-feira (4), Blythe Danner vive a amistosa Ellie, que cumpre seu papel no roteiro e tem função vital na construção do romance entre o "casal problema" Beth e Logan, vividos por Taylor Schilling e Zac Efron, respectivamente. E foi exatamente sobre a dupla que a maior parte dos elogios da atriz caíram durante entrevista concedida ao Terra de Los Angeles, Califórnia. "Ambos são trabalhadores esforçados. Taylor eu conheço desde que começou como uma jovem atriz e tenho grande admiração por ela. E realmente admiro o Zac por sair da imagem de ídolo teen para a de um jovem soldado disciplinado, com um grande coração, sendo uma pessoa honesta", elogiou a atriz de 69 anos.

Descubra o Sundaytv e tenha acesso ao melhor do cinema e da TV

Associado sempre à franquia adolescente High School Musical , Efron se distancia da imagem teen e busca reconhecimento maior neste drama. "Acho que os dois se respeitaram bastante e isso cresceu quando trabalharam juntos", prosseguiu Blythe, afirmando não ter enfrentado muitos desafios para colocar Ellie nas telas. "Acho que o papel foi tão bem escrito e isso está nos papéis. Meu trabalho foi só trazer isso à vida. É um presente quando você tem um personagem bem construído e não tem que fazer muita coisa. Eu li o livro e tentei projetar essa personagem mais do que pude. Isso não estava no script. Eu a adorei porque é um papel importante, mas não precisa estar lá o tempo todo procurando conselhos ou dando opiniões. Foi um papel muito bem construído".

Em Um Homem de Sorte , o soldado Logan, ainda em combate, encontra uma foto de uma bela garota. O ato de pegar o retrato o salva de uma explosão e logo faz criar nele diversos sentimentos envolvendo destino, sorte e a missão de encontrar sua "salvadora". Para Blythe, a premissa do romance a atingiu, principalmente em comparação aos filmes do cinema atual. "Eu fiquei feliz de ver que não era mais um filme de Hollywood cheio de palavrões e violência. Não sou uma puritana, gosto de coisas divertidas. Mas não gosto muito das coisas que vejo. É um novo fôlego ter uma obra sobre o coração que é empolgante", explicou.

Divertindo-se, a experiente atriz elogiou a trama proposta pelo livro do badalado autor Nicholas Sparks ¿ mais a direção de Scott Hicks -, mas afirmou que os questionamentos não a atingiram. "Ainda sou uma pessoa cínica, que não acredita em destino. Mas acredito em sorte. Acho que somos muito sortudos de fazermos parte de tudo isso."

Em uma missão rotineira no Iraque, um sargento do exército norte-americano se depara com um reflexo vindo do meio da areia que o incomoda. Ele se levanta, vai até o local e descobre uma foto enterrada sobre os escombros
Em uma missão rotineira no Iraque, um sargento do exército norte-americano se depara com um reflexo vindo do meio da areia que o incomoda. Ele se levanta, vai até o local e descobre uma foto enterrada sobre os escombros
Foto: Reprodução

Télam

compartilhe

publicidade
publicidade