1 evento ao vivo

Alien: Covenant - "Nós temos um planejamento a longo prazo de como os filmes se conectarão", avisa Ridley Scott (Entrevista exclusiva)

Haverá ao menos mais um filme da franquia no futuro.

11 mar 2017
12h16
atualizado às 13h46
  • separator
  • comentários

Marco da ficção científica,  Alien, o 8º Passageiro teve três sequências sem a participação de seu criador, Ridley Scott, que apenas retornou à franquia com Prometheus. Mais até do que dar continuidade à saga do temível (e terrível) extra-terrestre, sua intenção maior era compreender como ele havia surgido.  Alien: Covenant segue esta trajetória.

Foto: AdoroCinema / AdoroCinema



Situado dez anos após os eventos registrados em

Prometheus

, o novo filme da série traz os tripulantes de uma nave colonizadora chegando ao planeta natal dos engenheiros, sem ter a menor ideia de quem eles sejam. O

AdoroCinema

visitou os sets de filmagens de

Alien: Covenant

em junho de 2016 e conversou com Ridley Scott, que falou sobre a cronologia da franquia e a existência de vida inteligente lá fora. Confira!



Como é fazer um filme do Alien com a criatura original novamente?

Ridley Scott:

Acho que fazer esse filme era essencial. Ninguém se perguntou o porquê dessa criatura ter sido criada e quem a criou, na primeira série de filmes.

Prometheus

começou a fazer essa pergunta e este filme está aprofundando o questionamento sobre quem poderia desenvolver um monstro como esse e com qual motivo. É interessante porque exploramos uma sociedade diferente da nossa. Vou só dizer isso para não estragar o filme. Vocês terão que descobrir por si mesmos.




Ele está de volta!
O que mais te fascina neste mundo que você criou? Os Aliens, a origem dos seres humanos?

Ridley:

Essa é uma pergunta que todos fazem. Não sou religioso, não sou agnóstico e nem sou ateu. Apenas não tenho certeza. Carl Sagan, um homem muito bacana, viu o filme original certa vez e me disse que tinha gostado, mas que não fazia o menor sentido porque nem eu nem ele veríamos alienígenas em nossas vidas. Trinta anos depois, já se fala no fato de que devem existir milhões de entidades por aí que podem ser equivalentes a nós ou que podem ser mais avançadas ou atrasadas que nós. Não existem provas de que eles existem, e a tecnologia tenta ficar cada vez melhor para provar a existência deles, mas é apenas lógico que eles existam. Então, se um cara usando uma túnica e uma barba desce de uma nave, você o chamará ou de alienígena ou de deus.



Se voltarmos à origem cultural do mundo, os egípcios e os maias, há uma certa conexão entre eles, veremos que os desenhos deles só podem ser evidências das coisas que viram. Estou parecendo um programa de televisão sobre o assunto, mas as coisas que a NASA diz fazem sentido. Espero que eles não nos visitem.




Então é inteligente da nossa parte enviar sinais informando onde estamos?

Ridley:

Temos que fazer isso. Enfrentamos mais ou menos a mesma situação que os náufragos dos séculos XVII e XVIII, que acendiam fogueiras para que os navios que passavam os resgatassem. Acho que nós precisamos nos comunicar para ver se eles são perigosos ou não. Se eles nos visitarem, eles são muito, muito mais avançados do que nós.





O que podemos esperar deste filme? Parece ter bastante ação e ser bem violento.

Ridley:

Acho que o filme precisa dessas coisas, mas também há uma subtrama muito interessante, que espero que nos leve ao próximo filme. Nós temos um planejamento a longo prazo de como os filmes se conectarão. A forma como este filme termina definitivamente nos levará ao próximo. Não vou dizer como o filme termina, por razões óbvias, mas definitivamente levará ao próximo e deixará várias perguntas.




Você traz o Alien de volta e também as inteligências artificiais. O que acha sobre isso? Algumas pessoas dizem que as IAs seriam as maiores ameaças para a raça humana.

Ridley:

É uma visão intelectual de que, uma vez que você cria um supecomputador, este supercomputador cria um clone de si, um irmão ou irmã. A partir do momento em que você tem dois supercomputadores trabalhando juntos, eles já estão muito mais avançados do que nós e isso se torna uma preocupação, se torna algo que precisa ser controlado. Porque se você tiver múltiplos supercomputadores e eles saírem do padrão, teremos problemas. David, por exemplo, sempre se viu como superior aos seus criadores.



NOTA:

David é o personagem interpretado por  Michael Fassbender em

Prometheus

, que  também estará em

Alien: Covenant

. Sobre a continuidade da franquia, Ridley Scott revelou que  já tem o roteiro da sequência pronto e pretende rodá-lo em dois anos.



Com estreia nos cinemas brasileiros agendada para 11 de maio,

Alien: Covenant

conta com Katherine Waterston, Billy Crudup, Danny McBride, Demian Bichir,  James Franco e  Noomi Rapace no elenco.



O AdoroCinema viajou a Sydney a convite da Fox Filmes do Brasil.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade